sexta-feira, 1 de julho de 2016

Fechamento Junho/2016 e Atualização da Vida Pessoal

Depois de ser demitido em primeiro de abril (sim, não foi pegadinha), peguei todo o dinheiro da rescisão, FGTS, etc, guardei uma parte na poupança (apesar de que já tive que gastar uma grana pra pagar um curso que ainda nem começou) e investi no resto. No dia 4 de abril eu faria quatro anos de empresa. Mas tudo bem, já estava de saco cheio dos meus chefes e dos cornojobs.

Recebi tudo direitinho, foi relativamente fácil agendar a rescisão de contrato e a homologação. O que está realmente difícil é receber o seguro-desemprego. Já deve ter quase dois meses que eu tento diariamente e nunca liberam um dia no sistema.

De resto, sigo estudando para concursos. Comecei a estudar em dezembro de 2014, já vai mais de um ano e meio nessa luta e ainda acho que vai demorar. Fiz o concurso do Ministério Público do Rio de Janeiro, cargo de nível médio (Assistente Administrativo ou coisa que o valha) e foi um massacre.

Nunca fiz uma prova tão difícil na minha vida e olha que eu estava muito confiante. Fiz 46 de 70, fiquei lá pela posição 4 mil e tal. No último concursos, de 2011, para o mesmo cargo, chamaram mais de 700 pessoas.

Ah sim, quase esqueci: consegui alguns frilas e estou trabalhando de casa. Não quero mais saber de chefe no meu cangote, de trânsito, de hora extra. Agora trabalho de casa e faço meu horário.

Curiosidades:


  • Estou ganhando mais do que no meu último emprego
  • Um dos meus frilas era um ex-cliente da empresa onde eu trabalhava e que ficou sabendo que eu fiquei desempregado. Isso fez bem pra minha auto-estima, fui valorizado pelo meu trabalho (e, claro, é mais barato pagar diretamente a mim do que colocar um intermediário, no caso a empresa, no meio do caminho)

Minha vida mudou bastante e pra melhor. Mas de vez em quando bate uma neura com o futuro, mas acho que isso é normal. Fiquei bem mal depois de ser massacrado na prova do MP-RJ (mal mesmo, do tipo não querer levantar da cama e ficar olhando pro nada com uma sensação inacreditável de ser um bosta completo), deu vontade de desistir, mas já me recompus e to de volta aos estudos. Parei com as aulas particulares de matemática, mas vou voltar com elas.

O ruim é que estou muito sedentário, a única atividade física que estou fazendo é caminhar na praia quando o sol aparece e o frio da um tempo. Queria fazer uma atividade de mais impacto, mas não suporto mais musculação e nem natação, gostaria de algo mais divertido. Sugestões?

Sobre os investimentos, diminui minha exposição em ações e aumentei em Tesouro Direto e Fundos de Investimentos Imobiliários.




Clique para ampliar a imagem

segunda-feira, 9 de maio de 2016

'Descobri que gosto de trabalhar' OU 'Aprendendo com a experiência prática'

No último dia 4 completei um mês desempregado. Nunca tinha ficando tanto tempo desempregado desde que consegui meu primeiro emprego.

Aprendi uma coisa sobre mim mesmo que não sabia: uma semana sem trabalhar é bom demais. Um mês sem trabalhar é ruim demais.

Isso me fez questionar esse negócio de independência financeira. Acho que eu não quero isso. O que eu quero é um emprego em que eu me sinta útil, requisitado, e que tenha uma remuneração aceitável, no mínimo.

Foi bem legal descobrir isso.

Por conta dos bons trabalhos que realizei na minha última empresa, consegui um freela para trabalhar em casa para um ex-cliente da empresa. Vou ganhar o mesmo que ganhava com carteira assinada, com a vantagem de não gastar dinheiro com alimentação na rua e com passagem e/ou gasolina e, muito importante, não gastar meu tempo e minha paciência com engarrafamentos.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Trabalhar por amor ou por dinheiro?

Oi, pessoal da blogosfera de finanças (nunca sei como começar o texto)!

Nenhum de vocês sabe, mas eu trabalho na iniciativa privada e recebo, em média, R$2600 de salário líquido. Como eu não quero ficar recebendo esse salário ridículo o resto da vida e também quero sair dessa minha área de atuação, a qual eu já estou de saco cheio, penso em duas alternativas para o meu futuro, que são totalmente opostas. São elas:

1) O famoso lugar comum do concurso público

concurso público


Vi uma pesquisa que dizia que no Brasil, em média, um funcionário público ganha R$ 9919 de salário, enquanto na iniciativa privada fica em torno de R$ 2148. Mesmo se tratando de médias, da pra ver que a diferença e gritante. 

Então, pra que eu vou me matar de estudar pra me manter atualizado, ralar pra cacete pra TALVEZ conseguir uma promoção SABE LÁ DEUS QUANDO e SE OS MEUS CHEFES QUISEREM E/OU PUDEREM, se eu posso sentar o rabo na cadeira e estudar até passar e ganhar um salário muito maior que na iniciativa privada?

O maior problema, no meu caso, é que eu acredito que um estado menor seria muito melhor para o Brasil, ou seja, eu defendo a privatização de empresas públicas e o fim de agências inúteis como a Ancine. Seria contraditório (muito embora o meu foco sejam os concursos da área jurídica), mas eu acredito que posso viver com isso. Melhor do que viver dando murro em ponta de faca.

2) Empreender

empreendedorismo


Tenho alguns parentes que são empreendedores. Os dois estão "bem de grana". Um deles trabalha que nem um burro, de domingo a domingo, acordando de madrugada. Não tem férias e suas lojas já foram assaltadas várias vezes. Já até tentou voltar a ser funcionário, tamanho o desgaste. Hoje, ele desistiu dessa ideia, já vendeu uma das lojas e comprou outra loja em um ramo totalmente diferente, que vai exigir muito menos dele em termos de tempo e esforço, mas também vai render muito menos.

O outro também está muito bem de vida, sendo que mal tem o segundo grau completo. Mas já comprou dois apartamentos, carros e viajou para vários lugares do mundo. Tem pelo menos o domingo pra descansar e já tem a quem delegar o trabalho aos sábados.

Eu não uma mínima noção de empreendedorismo, mas não sei por onde começar. Já vi muitas vezes nesses sites que falam sobre empreendedorismo para você trabalhar com o que você ama. Bem, eu adoro música, séries, filmes e quadrinhos. 

Já tentei, por muitos anos, emplacar um blog sobre quadrinhos e cinema, não deu certo. E hoje o mercado já está saturado, ao meu ver. Loja de "nerdices" (games, quadrinhos, brinquedos) aos moldes das Comic Shops americanas foi uma coisa na qual eu pensei muito, mas o dólar alto dificulta esse modelo de negócios, fora a concorrência com bancas de jornal e lojas online (são dezenas!).

No ramo da música, eu pensei em estúdio. Mas um estúdio precisa de uma bela grana pra começar a investir e já existem muitos na minha cidade. O público consumidor desse serviço é disputado a tapa, por assim dizer.

Com tudo isso, fiquei pensando: é mesmo necessário empreender em algo que você gosta? 

Os meus parentes do exemplo nem de longe empreenderam em algo que eles gostam, simplesmente viram oportunidades, aproveitaram e deram certo.

3) E agora, José?

Enquanto não decido o que vou fazer da minha vida, sigo trabalhando, estudando para concursos e tentando visualizar alguma oportunidade de empreender. Mas vou dizer pra vocês, tem horas que enche o saco! E, o pior de tudo, ainda tenho que aturar gente defendendo o PT, isso que é de cair o cu da bunda!

quinta-feira, 10 de setembro de 2015

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

"Fora coxinhas golpistas"!

"Fora coxinhas golpistas"!

Ué...

Erro 404 - Petismo.exe parou de funcionar. Deseja enviar um relatório? ( ) Sim ( ) Não (X) A culpa é da direita raivosa


Link para a matéria: http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/09/1676296-fundador-do-pt-apresentara-pedido-de-impeachment-de-dilma.shtml

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Fechamento do mês - Agosto/2015

1 lote de CEMIG3 a 7,71
1 NTNB-Principal 2035 6,93% a.a

Patrimônio: R$11.153,11

A rentabilidade da carteira no mês, com os aportes, foi de +2,9%
Desde que comecei a investir estou -21,66% mais pobre.



sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Volta ao blog e rombo no Governo Central (Tesouro, Previdência e BC)

Oi, pessoal. Tudo bem?

Faz muito tempo que eu não escrevo aqui. O motivo é que eu percebi que eu não tinha muito a acrescentar a blogosfera de investidores, então passei a usar meu blog apenas como um pequeno log dos meus investimentos (veja a coluna à direita para enteder). 

Mas eu resolvi a voltar a usar o blog como uma ferramenta de escape. Explico.

Onde eu trabalho tenho fácil acesso a redes sociais, que eu gosto muito de usar, principalmente pra matar o tempo, já que não vejo a hora de largar meu emprego e virar funcionário público (se não pode vencê-los, junte-se a eles). Quando eu posso eu até estudo escondido lá.

Então, eu acabo vendo muitas coisas sobre política e economia nas minhas redes, fico puto da vida com o que o PT e aliados vem fazendo com o Brasil e mais puto ainda que tem muita gente que eu conheço, com nível superior, que trabalha na iniciativa privada, defendendo esse governo mentiroso, corrupto e incompetente. Eu fico muito puto com isso e arranjo briga, discussão, etc.

Na maior parte das vezes eu até gosto, porque eu sinto que sai "vitorioso" do debate, até porque essa gente tem sempre os mesmos argumentos clichês vazios, e a realidade a cada dia torna mais insustentável esse discurso oco. Infelizmente, em alguns casos essas discussões me consomem muito tempo, concentração, energia e foco, e acabam me prejudicando no trabalho e nos estudos. 

Não me importo que me chamem de coxinha, que algumas pessoas passe, a não gostar de mim por minhas opiniões, to nem aí. Mas isso está realmente me desgastando e eu preciso parar. É o gramcismo petista dando resultado, "dividir para conquistar". Ta funcionando 100%, tem várias pessoas que eu conhecia que parecem que sofreram lavagem cerebral.

Enfim, já peço desculpas antecidapadas porque vocês vão ver aqui muito mimimi contra o governo. Preciso direcionar minha raiva e minha revolta de alguma forma, e usar esse blog me pareceu a melhor maneira no momento.

Vamos começar!

Blog da Miriam Leitão (por Alvaro Gribel), O Globo, 28/08/15

Meu destaque:

(...) o rombo do Governo Central (Tesouro, Previdência e BC) chegou a R$ 9 bilhões (...)
A cada dia eu fico com mais medo do Tesouro Direto dar calote.